Lançado alerta sobre perigo de amostra de vírus de peste bovina

Lançado alerta sobre perigo de amostra de vírus de peste bovina

FAO e OIE indicam estar em curso ações para a destruir amostras potencialmente perigosas além de materiais biológicos armazenados por mais de 40 laboratórios de todo o mundo.

[caption id="attachment_213229" align="alignleft" width="350" caption="Peste bovina oficialmente erradicada"]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Um alerta para o cumprimento da moratória de pesquisa que envolve trabalho laboratorial com o vírus da peste bovina foi lançado, esta segunda-feira, pela Organização da ONU para Agricultura e Alimentação, FAO.

A medida também envolve a Organização Mundial para a Saúde Animal, OIE. A doença foi oficialmente erradicada há um ano, numa declaração que refere que o vírus “deixou de circular e que só existe em laboratórios.”

Ameaça

Falando à Rádio ONU, de Santiago do Chile, o chefe do Serviço da FAO para a Saúde Animal, Juan Lubroth, falou da potencial ameaça para o gado dos países de língua portuguesa.

Amostras

“Para o Brasil o risco é menor, mas muitos países de África ainda têm laboratórios com amostras do vírus de peste bovina. Gostaríamos que fossem destruídos os vírus, onde não há necessidade de pesquisa, ou que fossem enviadas as amostras do vírus para um laboratório de referência da FAO ou da OIE.”

As instituições indicam estarem em curso ações para a destruição das amostras potencialmente perigosas e de materiais biológicos armazenados por mais de 40 laboratórios de todo o mundo. A doença não afeta os seres humanos.

Pesquisas

O comunicado pede que os governos assegurarem que os laboratórios que desenvolvam pesquisas com o gado trabalhem com “segurança adequada” e observem minuciosamente o material utilizado.

As recomendações indicam que estes devem ser manipulados em laboratórios de alta segurança “de nível 3 ou 4”, que em África são limitados. Caso contrário, os materiais devem ser enviados ou destruídos.

Confiança

A FAO diz que apesar de ter confiança da declaração do “mundo livre da peste bovina”,  há prevalência de doenças similares.

Aos serviços veterinários a agência pede que estes estejam abertos a receber informações sobre “quaisquer anomalias” para que seja assegurado que não se trata da peste bovina.

A agência diz ter direcionado as campanhas atuais ao combate à febre aftosa e à peste dos pequenos ruminantes.