Cplp sem “sentimento de animosidade” quanto às autoridades pós-golpe em de Bissau

Cplp sem “sentimento de animosidade” quanto às autoridades pós-golpe em de Bissau

Falando de Maputo, líderes dos países-membros da organização exigem o restabelecimento da ordem constitucional; capital moçambicana acolhe a 9ª. Conferência de chefes de Estado e governo do bloco.

 

[caption id="attachment_196478" align="alignleft" width="350" caption="Logo Cplp"]

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo.

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa, Cplp, não tem nenhum sentimento de animosidade em relação 

às autoridades que lideram a Guiné-Bissau após o golpe militar de 12 de Abril, disse o secretário-executivo do bloco.

Domingos Simões Pereira falava à Rádio ONU, da capital moçambicana, Maputo, que acolhe nesta sexta-feira a cimeira de chefes de Estado e governo da organização.

De acordo com o secretário-executivo, a Cplp exige o restabelecimento urgente da ordem constitucional.

Mecanismo Democrático

“Não há aqui nenhum sentimento de animosidade em relação às pessoas que se apresentam como líderes destas estruturas, mas é preciso reconhecer que essas estruturas não foram escolhidas pelo povo guineense e, portanto, não tendo sido escolhidas pelo povo guineense num mecanismo democrático, a organização Cplp não está em condições realmente de criar uma derrogação para os acomodar”.

A situação sócio-política na Guiné-Bissau vai ser um dos principais temas da 9ª. Conferência dos líderes da Cplp. Durante a reunião, Angola passará o testemunho da presidência rotativa da organização a Moçambique.

Dificuldades

O ministro angolano das Relações Exteriores, George Chicoti, reconheceu as dificuldades de Angola em resolver a situação na Guiné-Bissau durante o seu mandado.

“A Guiné-Bissau constituiu a grande frustração da presidência angolana.O esforço de solidariedade que Angola e a Cplp se prontificaram a prestar à Guiné-Bissau e, designadamente, a urgente reforma de defesa e segurança falhou rotundamente, tendo ficado clara a mensagem de que os militares não consentiram em ceder voluntariamente o poder que detêm na Guiné-Bissau”.

Ação Concertada

O restabelecimento da ordem constitucional foi defendido, igualmente, pelo presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca. O chefe de Estado cabo-verdiano apelou para uma ação concertada entre a Cplp, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Cedeao, e as Nações Unidas.

“Nós temos que criar condições para que as nossas posições com a Cedeao, a União Africana e as Nações Unidas sejam uma posição muito próxima de forma a que ela seja sólida e possa pôr em prática o principio fundamental de condenarmos os golpes de estado e que o único critério de legitimidade e exercício do poder político seja o do voto popular das urnas”.

Timor-Leste

O presidente de Timor-Leste, Taur Matan Ruak,  que participa pela primeira vez no encontro de líderes, manifestou otimismo quanto à situação político militar no país da África Ocidental.

“Para nós é uma pena. É um país que tanto nos inspirou durante anos para lutarmos contra o colonialismo. Mas nós estamos muito seguros que eles vão ultrapassar essa situação. A Cplp, como um todo, naturalmente vai dar o seu apoio máximo para que a Guiné retorne à normalidade e se desenvolva o país para o benefício do seu povo”.

A Cplp reconhece o governo deposto no golpe de Estado de abril, enquanto a Cedeao apoia às autoridades de transição da Guiné-Bissau.