Fundos e insegurança podem limitar ajuda humanitária aos sírios, diz Ocha

Fundos e insegurança podem limitar ajuda humanitária aos sírios, diz Ocha

Factores apontados como maiores obstáculos para implementação da resposta humanitária; Escritório de Assistência Humanitária da ONU diz ter recebido apenas 20% dos US$ 189 milhões necessários.

[caption id="attachment_217176" align="alignleft" width="350" caption="John Ging "]

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Escritório de Assistência Humanitária das Nações Unidas, Ocha, informou esta segunda-feira que a resposta à crise na Síria corre o risco de ser interrompida devido à falta de recursos.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, estão registrados 112 mil sírios que vivem em países vizinhos, mas o número pode ser muito maior.

Por outro lado, cerca de 700 sírios cruzam diariamente as fronteiras internacionais em busca de abrigo devido aos confrontos entre a oposição e o governo que duram mais de 16 meses.

Apelo Humanitário

De acordo com o diretor de Coordenação do Ocha, John Ging, apenas 20% do apelo humanitário para o país foi alcançado, do total de US$ 189 milhões que haviam sido pedidos.

Falando à imprensa, em Genebra, John Ging afirmou que a insegurança continua a ser o maior obstáculo para a total implementação da resposta humanitária.

Procedimentos

O diretor do Ocha explicou a dificuldade em movimentar trabalhadores nas regiões afetadas. Ging citou ainda “procedimentos burocráticos do governo da Síria”, que incluem “negação de vistos para alguns funcionários da ONU.”

As Nações Unidas também lançaram um outro apelo, de US$ 193 milhões, com vista a apoiar os sírios refugiados na Turquia, no Líbano, no Iraque e na Jordânia. Destes, também 20% dos valores foram alcançados.

*Apresentação: Eleutério Guevane.