OMS: vacinação reduz de forma drástica casos de rubéola congênita
BR

13 julho 2012

Segundo agência, 110 mil bebês nascem todos os anos com a síndrome, que pode causar morte ou deformações; meta é eliminar a doença até 2020.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.*

A Organização Mundial da Saúde, OMS, afirma que a rubéola foi eliminada na maioria dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, graças a campanhas de vacinação em larga escala.

Segundo a agência, a região das Américas está sem casos endêmicos desde 2009. Mas países africanos e do sudeste asiático são os que têm o maior número de notificações.

Meta

A OMS lembra que a dose única da vacinação fornece mais de 95% da imunidade ao longo da vida. Por meio do Plano Estratégico Global de Sarampo e Rubéola, criado neste ano, a agência pretende eliminar as duas doenças até o final de 2020.

A estratégia é focada nos países que ainda não fornecem vacinas contra a rubéola e o sarampo. Outras ações são o preparo para possíveis surtos, tratamento eficaz e campanhas sobre a imunização.

Transmissão

O OMS informa que por ano, 110 mil bebês nascem com a síndrome da rubéola congênita. Quando uma mulher é infectada com o vírus no começo da gravidez, há 90% de chance de transmissão para o feto, com risco de aborto e deformações.

A rubéola é mais comum em crianças e jovens adultos e o contágio é pelo ar. Os sintomas são erupções da pele, febre, náusea e conjuntivite. Os bebês que nascem com a síndrome congênita podem sofrer problemas de audição, visão e no coração, além de autismo ou diabetes.

*Apresentação: Mônica Villela Grayley.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud