Unesco condena assassinato de jornalista-cidadão no Bahrein
BR

9 abril 2012

Diretora-geral, Irina Bokova pediu a investigação da morte de ativista durante protesto; segundo agência da ONU, liberdade de expressão é “essencial para qualquer sociedade”.

[caption id="attachment_213822" align="alignleft" width="350" caption="Irina Bokova"]

Camilo Malheiros Freire, da Rádio ONU em Nova York.*

A Diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, condenou a morte de um ativista durante manifestação no Bahrein. Segundo agências de direitos humanos, Ahmed Ismael Hassan AlSamadi, de 22 anos, foi assassinado no dia 31 de março. Ele foi baleado enquanto filmava um confronto entre manifestantes e forças de segurança na vila de Salmabad.

As autoridades do Bahrein anunciaram que será iniciada uma investigação sobre a morte do ativista e jornalista-cidadão.

Direitos Básicos

Irina Bokova lembrou que a liberdade de expressão é um direito fundamental de qualquer sociedade. Ela espera que investigação traga os culpados à justiça.

AlSamadi era um jovem ativista que regularmente filmava manifestações contra o governo. Segundo Bokova, a cobertura de repórteres e jornalistas-cidadãos é “indispensável à democracia e ao estado de direito.”

Ahmed AlSamadi é o terceiro profissional da informação assassinado no Bahrein, de acordo com a página oficial da Unesco. As manifestações no país começaram em fevereiro de 2011.

*Apresentação: Leda Letra

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud