Relator da ONU preocupado com execuções sumárias na Índia
BR

30 março 2012

Em comunicado, Christof Heyns pediu ao governo indiano para continuar medidas contra impunidade; entre os casos estão crimes de honra e tribais.

[caption id="attachment_196797" align="alignleft" width="350" caption="Crimes tribais e de honra entre os casos"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.*

O relator especial das Nações Unidas sobre Execuções Sumárias e Arbitrárias, Christof Heyns, pediu à Índia para combater a impunidade relacionada a execuções sumárias no país.

Em comunicado, divulgado nesta sexta-feira para marcar o fim de sua viagem oficial à Índia, Heyns disse que o governo deve continuar a tomar providências para acabar com a impunidade em casos de crimes de honra e assassinatos em comunidades.

Cenário

O relator informou que existem desafios na Índia sobre a proteção e o direito à vida. Ele disse que há provas de “encontros forjados” em várias partes do país. Em situações assim, cria-se um cenário de tiroteio para transformar a vítima no agressor.

Heyns disse ainda que nos estados do nordeste da Índia, como Jammu e Caxemira, a polícia ainda têm poder para empregar a força letal. Para ele, a maior dificuldade em lidar com o problema são os altos níveis de impunidade.

Crimes de Honra

Ele encerrou o comunicado afirmando que está preocupado com a violência em comunidades, crimes contra pessoas consideradas “bruxas e bruxos”, assim como os crimes de honra.

Christof Heyns pediu a criação de uma comissão de inquérito formadas por advogados e líderes comunitários respeitados para apurar os casos de execuções sumárias na Índia. Um relatório final deve ser levado ao Conselho de Direitos Humanos no próximo ano.

*Apresentação: Leda Letra.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud