Comissão de Inquérito diz que mortes na Líbia foram crimes de guerra
BR

9 março 2012

Centenas de prisioneiros foram executados e torturados até a morte por forças leais ao ex-líder líbio, Muammar Kadafi. 

 

Mônica Villela Grayley,da Rádio ONU em Nova York.

Uma Comissão Internacional de Inquérito para a Líbia concluiu que as mortes de centenas de prisioneiros no país constituem crimes de guerra.

O presidente da Comissão, Philippe Kirsch, disse que os presos foram executados e torturados até a morte por forças leais ao ex-líder líbio, Muammar Kadafi.

Simpatizantes 

O resultado do trabalho do grupo foi apresentado, nesta sexta-feira. A Comissão foi formada pelo Conselho de Direitos Humanos, com sede em Genebra, na Suíça.

De acordo com Kirsch, houve vários casos de tortura, detenção e outras formas de maus tratos aos integrantes da oposição ou simpatizantes desses grupos.

O presidente da Comissão de Inquérito disse que o governo interino da Líbia precisa restabelecer o Estado de direito no país, além de promover a prestação de contas sobre os crimes cometidos. 

Muammar Kadafi foi morto em 20 de outubro. 

Kirsch disse ainda que a Comissão submeteu ao Conselho uma lista com nome de indivíduos que podem ser os maiores responsáveis pelas atrocidades cometidas durante a revolta líbia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud