Bombardeios à cidade de Homs, na Síria, impedem serviços médicos
BR

10 fevereiro 2012

Alerta foi feito pela Organização Mundial da Saúde, OMS, nesta sexta-feira; tropas do governo estão combatendo protestos contra o regime do presidente Bashar al-Assad.

[caption id="attachment_211410" align="alignleft" width="350" caption="Bombardeios são tentativa de reprimir protestos"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, informou que os bombardeios à cidade de Homs, na Síria, estão impedindo os serviços médicos na região.

Por causa da ofensiva militar, trabalhadores de saúde não podem sair de casa. Em muitos postos de atendimento e hospitais já estão começando a faltar remédios.

Oposição

Os bombardeios são uma tentativa de reprimir os protestos contra o regime do presidente Bashar al-Assad.  Homs é considerada o maior reduto da oposição síria.

A OMS expressou preocupação com relatos de que postos de saúde estariam sendo deliberadamente atacados, e que muitos feridos estariam com medo de serem presos ou torturados, ao buscarem socorro.

O conflito na Síria já matou mais de 5 mil pessoas desde março incluindo pelo menos 400 crianças.

Crises

Na semana passada, o Conselho de Segurança reuniu-se para discutir a situação. No encontro, o embaixador sírio Bashar al-Jaafari disse que seu país tem condições de lidar com suas próprias crises e não vai aceitar “interferências externas.”

Um projeto de resolução condenando a violência foi vetado pela China e pela Rússia, no sábado.

Na segunda-feira, a Assembleia Geral fará uma reunião para discutir o tema, em Nova York.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud