Chefe dos Direitos Humanos da ONU pede proteção do povo sírio

8 fevereiro 2012

Em comunicado, a alta comissária Navi Pillay condenou os ataques aéreos à cidade de Homs e também pediu ações urgentes por parte da comunidade internacional; conflito já matou mais de cinco mil pessoas.

[caption id="attachment_211274" align="alignleft" width="350" caption="Navi Pillay"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova Iorque*.

A alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, afirmou que o mundo deve tratar a questão da violência na Síria com “extrema urgência.”

Desde março, confrontos entre forças do governo e opositores ao presidente sírio, Bashar al-Assad, já mataram mais de cinco mil pessoas naquele país árabe.

Medidas Concretas

Em comunicado, Pillay disse que chegou a hora de “acabar com as políticas e de tomar medidas concretas para proteger a população da Síria.”

A alta comissária da ONU sublinhou que a discordância no seio do Conselho de Segurança em relação a uma ação firme contra a violência no país parece ter fortalecido o governo sírio “na sua determinação em massacrar o próprio povo”, numa tentativa de exterminar a dissidência na Síria.

De acordo com relatos de moradores na cidade de Homs, e dos média, o exército aumentou o uso da força recorrendo a helicópteros, tanques e morteiros, além de foguetes contra alvos civis.

Navi Pillay encerrou o comunicado afirmando que todos os indícios sugerem que a repressão das autoridades sírias pode constituir crimes contra a Humanidade.

*Apresentação: Joyce de Pina

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud