FMI elogia “historial económico impressionante” de Moçambique, mas pede ações

25 janeiro 2012

Directora do Departamento Africano do FMI diz que o país foi o mais resistente à crise na África Subsaariana; organismo financeiro apela ao executivo de Maputo para responder à crise.

[caption id="attachment_210597" align="alignleft" width="350" caption="Antoniette Sayeh"]

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo

O Fundo Monetário Internacional, FMI, congratulou o Governo de Moçambique pelo que chamou de “historial económico impressionante alcançado ao longo de vários anos.”

A diretora do Departamento Africano do fundo, Antoniette Sayeh, elogiou o executivo moçambicano por adoptar políticas económicas sólidas para enfrentar a crise económica mundial.

Formação

A responsável está pela primeira vez na capital moçambicana, Maputo, para dirigir o primeiro seminário de formação dos representantes residentes do FMI em África, nesta quarta e quinta-feiras.

Em entrevista a jornalistas, ela referiu que “Moçambique atravessou bem a crise económica global de 2008/09 graças a uma resposta em termos de políticas económicas forte e antepada”.

O organismo financeiro considera que Moçambique foi o mais resistente à crise em África Subsaariana, resultado de políticas resistentes a choques externos seguidas pelas autoridades do país.

Novos Desafios

De acordo com a directora do FMI para África, a economia global vai enfrentar novos desafios. Por isso, o executivo de Maputo deve saber responder à situação.

A antiga ministra das Finanças da Libéria afirma que as políticas económicas adoptadas por Moçambique devem equilibrar as necessidades a curto prazo contra uma desaceleração global da economia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud