Alta do preço dos alimentos bate recorde apesar de queda no fim de 2011
BR

12 janeiro 2012

Índice de Preços da FAO registrou 211 pontos em dezembro, 27 abaixo do pico de fevereiro passado; baixa deveu-se a preços dos cereais, do açúcar e de oleaginosas no mercado global.

[caption id="attachment_208618" align="alignleft" width="350" caption="Foto: FAO"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, informou que os preços dos alimentos permanecem altos, apesar da queda registrada no mês passado.

Em dezembro, o Índice de Preços da FAO foi de 211 pontos, 27 abaixo do pico notificado em fevereiro de 2011.

Dólar

A valorização do dólar americano e as boas colheitas ajudaram a reduzir o valor pago pelos alimentos. Um outro fator foi a queda acentuada nos preços dos cereais, do açúcar e das oleaginosas em nível global.

Segundo a FAO, mesmo com a queda, nos meses recentes, do preço das commodities de alimentos, o quadro ainda é instável por causa da situação da economia global e das incertezas nos mercados energético e de câmbio.

Os cereais tornaram-se 4,8% mais baratos em dezembro. Já o preço do milho, teve uma redução de 6%. O trigo e o arroz baixaram 4% e 3%, respectivamente.

Derivados do Leite

A carne também ficou um pouco mais barata, especialmente devido a uma redução de pouco mais de 2% no preço do porco.

Já os derivados do leite permaneceram inalterados. O preço do açúcar baixou pelo quinto mês consecutivo devido a um superávit na produção. As boas colheitas na Índia, na Tailândia, na Rússia e na União Europeia foram algumas das causas do bom resultado final para o consumidor.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud