Hillary Clinton pede transparência em Conferência sobre Armas Biológicas

7 dezembro 2011

Secretária de Estado norte-americana quer um reforço da convicção de cumprimento de medidas da Convenção por parte dos países; e deu as boas-vindas a Moçambique por aderir ao tratado.

[caption id="attachment_208609" align="alignleft" width="350" caption="Hillary Clinton"]

Susete Sampaio, da Rádio ONU em Lyon.

Nesta quarta-feira, realiza-se a sétima Conferência de Revisão da Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Armazenamento de Armas Bacteriológicas e Tóxicas e sobre a sua Destruição.

Em Genebra, o encontro começou com as declarações do Ministro dos Negócios Estrangeiros da Holanda, Uri Rosenthal e da Secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton. Um debate onde também tiveram palavra a Nigéria e o Irão.

Segurança Transnacional

Clinton referiu que travar a propagação de armas de destruição maciça é um dos objetivos principais do Governo Obama.

Segundo ela, o risco de ataque biológico é visto pelos Estados Unidos como um desafio duplo à segurança nacional e como uma prioridade da política externa.

Hillary Clintou disse: “a natureza do problema ainda está em evolução. Os progressos na ciência e na tecnologia que permitiram prever e curar mais doenças, também facilitam que atores estatais e não estatais – incluindo os terroristas, possam desenvolver armas biológicas”.

A secretária de Estado afirmou que 165 Estados comprometeram-se a não usar as armas, tendo dados as boas-vindas ao Burundi e Moçambique por assinarem a Convenção e convidado a fazer o mesmo aos que ainda não o decidiram.

Clinton disse que se as doenças e armas atravessam fronteiras, também este tema deve ter uma resposta transnacional.

A Secretária de Estado afirmou que uma arma terrorista rude, mas eficaz, pode ser construída através do uso de uma pequena amostra de patogénicos disponíveis, equipamentos baratos e química e biologia de nível escolar.

Convenção

Na mesma sessão, os Estados Unidos tornaram o seu relatório anual público ao abrigo da Iniciativa de Bio Transparência e Abertura. Hillary Clinton disse que o país vai organizar um Fórum Internacional sobre Saúde e Segurança para intercambiar visões sobre as ameaças biológicas e discutir a evolução de programas nacionais de pesquisa biológica.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud