Comissão contra Tortura preocupada com alegações de violações na Síria
BR

25 novembro 2011

Segundo comunicado do grupo, formado por 10 especialistas, atos estariam tendo lugar num contexto de “impunidade”; violência política já matou 3,5 mil pessoas no país árabe desde meados de março.

[caption id="attachment_208029" align="alignleft" width="350" caption="Manifestantes na Síria"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.*

A Comissão das Nações Unidas contra Tortura afirmou que está “profundamente preocupada” com o aumento de alegações de violações dos direitos humanos na Síria.

O país árabe está enfrentando confrontos entre manifestantes pró-democracia e forças do governo desde o início dos protestos de rua, em meados de março.

Ataques Sistemáticos

Segundo a ONU, pelo menos 3,5 mil pessoas já morreram na Síria por causa das ações de oposição ao presidente Bashar al-Assad.

Em comunicado, nesta sexta-feira, a Comissão contra Tortura, que é formada por 10 especialistas, informou ter examinado vários relatos sobre violações no país.

O chefe do grupo, Claudio Grossman, disse que entre os relatos estão casos de tortura e maus-tratos de prisioneiros, ataques sistemáticos contra civis incluindo o assassinato de manifestantes pacíficos.

Crianças

Grossman contou que até mesmo crianças teriam sido submetidas às práticas de tortura e mutilações enquanto presas.

Para a Comissão, as violações estão ocorrendo no que eles chamaram de “um contexto de impunidade”.

O grupo é formado por especialistas de vários países incluindo China, Marrocos, Senegal e Equador, entre outros.

*Apresentação: Eduardo Costa Mendonça.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud