Conselho de Segurança debate situação na Guiné-Bissau

3 novembro 2011

Enviado da ONU ao país, Joseph Mutaboba, disse que Fundo de Aposentadoria para militares e reformas da Justiça e Segurança são vitais à estabilidade; ministra da Economia afirmou que comunidade internacional não pode mais atrasar o financiamento do Fundo.

[caption id="attachment_207153" align="alignleft" width="350" caption="Joseph Mutaboba"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas debateu, nesta quinta-feira, a situação política da Guiné-Bissau.

Angola, e Brasil, que ocupa uma cadeira rotativa no Conselho, discursaram na reunião, que foi presidida por Portugal.

Estratégia

O representante especial do Secretário-Geral na Guiné-Bissau, Joseph Mutaboba, disse que o país de língua portuguesa, no oeste da África, tem registrado avanços na estabilidade política. Mas segundo ele, a criação do Fundo de Aposentadoria para Militares, e as reformas da Segurança e da Justiça são vitais para a calma na Guiné.

A embaixadora do Brasil, Maria Luiza Ribeiro Viotti, que preside a estratégia de paz da ONU para o país, elogiou a ação do governo.

Parte Inicial

Falando em inglês, Maria Luiza Ribeiro Viotti disse que o governo atual tem sido o mais estável e o mais duradouro desde 1997.

A ministra da Economia, do Planejamento e da Integração Regional da Guiné-Bissau, Helena Nosolini Embaló, afirmou que o governo está pronto para as reformas e que já fez a sua parte inicial, mas o financiamento internacional ainda não é suficiente.

“Pretendemos, portanto, que eles (a comunidade internacional) reforcem o seu apoio. Todos falam que a reforma da defesa e segurança é fundamental. Sem estabilidade política não pode haver desenvolvimento. Tudo bem. Nós todos compreendemos e aceitamos esses princípios que são básicos. Mas para fazer a reforma, obviamente, tem que haver um apoio consistente e efetivo da comunidade internacional. E apesar de se reconhecer que ela é necessária, quando chega a época das contribuções começa a haver uma certa hesitação. E nós viemos aqui dizer as pessoas: ‘não hesitem mais’.”

Vontade Política

A ministra da Economia afirmou que o passo inicial da criação do Fundo de Aposentadoria para os militares é de US$ 45 milhões, equivalentes a mais de R$ 76 milhões.

Segundo ela, as outras etapas do processo poderiam ser absorvidas pelo governo, uma vez que as bases da reforma fossem instaladas.

No próximo ano, a Guiné-Bissau realizará eleições legislativas. O país está se esforçando para se reerguer de uma onda de tentativas de golpe de Estado ocorridas após os anos de guerra civil no país.

Mas segundo a ministra, apesar dos desafios para a reconciliação nacional, o país tem feito progressos. Ela afirmou que casos isolados de violência política “não representam a vontade do povo guineense de seguir adiante com segurança e estabilidade.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud