ONU suspende ajuda a refugiados após sequestro de médicas no Quênia
BR

14 outubro 2011

Alto Comissariado para Refugiados, Acnur, diz que medida é questão de segurança; as duas médicas foram levadas de dentro do acampamento de Dadaab por homens armados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.*

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, informou que suspendeu parte de suas operações humanitárias no maior acampamento de refugiados do mundo, o campo de Dadaab, no Quênia.

A medida ocorreu após o sequestro de duas médicas, por homens armados, nesta quinta-feira. Segundo o Acnur, 200 funcionários estão mantendo os serviços básicos, como entrega de água no local, mas com ajuda policial.

Motorista

As duas vítimas que trabalham para a organização Médicos Sem Fronteiras estavam dentro do acampamento de Dadaab distribuindo ajuda. O carro que as transportava foi alvejado por homens armados. O motorista ficou ferido no incidente.

De acordo com a mídia local, o ataque teria sido praticado por membros da milícia somali, al-Shabaab. Cerca de 300 funcionários humanitários trabalham em Dadaab; 200 servem agências da ONU.

O chefe do Acnur, António Guterres expressou “choque e indignação” com o sequestro e pediu o retorno imediato das vítimas.

Dadaab acolhe mais de 460 mil refugiados. Este ano, a população aumentou como resultado da chegada de mais de 190 mil pessoas da Somália e após a violência ter piorado no país vizinho.

*Apresentação: Mônica Villela Grayley.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud