Habitante “número 7 bilhões” do mundo nascerá ainda este mês
BR

12 outubro 2011

Segundo Nações Unidas, países precisam se preparar para o crescimento populacional; chefe da Comissão Econômica da ONU para Ásia Pacífico diz que marca histórica pode ocorrer no continente e deve ser com um menino.

[caption id="attachment_206219" align="alignleft" width="350" caption="Criança deverá nascer na Ásia"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O mundo está à espera para este mês de um nascimento que eleverá a população do planeta para a marca histórica dos 7 bilhões de habitantes.

Segundo estimativas do Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, a criança deverá nascer no continente asiático.

Discriminação

De acordo com a chefe da Comissão Econômica da ONU para Ásia Pacífico, Noeleen Heyzer, caso a previsão seja confirmada, a chance do bebê ser um menino é grande. Heyzer lembrou que o continente concentra 61% da população mundial e tem mais homens que mulheres.

Ela afirmou que, devido à cultura, políticas e incentivos, muitos pais preferem meninos a meninas. Para a chefe da Comissão, a tendência demonstra discriminação de gênero e negligência que acarretam em consequências sérias para o balanço demográfico da Ásia.

Noellen Heyzer disse que o preconceito também se traduz em condições piores de educação para as mulheres. Cerca de 65% dos analfabetos são do sexo feminino. As mulheres também têm menos acesso à propriedades e aos processos de decisão.

Infraestrutura

Os dados fazem parte do Anuário para a região 2011 publicado pela Comissão das Nações Unidas.

Várias agências da organização já pediram mais providências de governos de todo o mundo para lidar com o aumento da população mundial em 7 bilhões de habitantes.

Um dos maiores problemas é a falta de infraestrutura em várias regiões, principalmente o acesso à água e ao saneamento básico.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud