África marcada por progresso lento nos Objectivos do Milénio, aponta relatório

6 outubro 2011

Documenro indica ligeira diminuição da proporção de africanos que passam fome; ressaltado crescimento e consolidação da cooperação Sul-Sul.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O continente africano teve um progresso lento desde a década de 1990, refere um novo relatório publicado em Nova Iorque.

O documento “Avaliando os Progressos em África Sobre os Objectivos do Milénio” indica que a  proporção de africanos que passam fome diminuiu ligeiramente de 25,3 % em 1990 para  21,7 % no ano passado, à excepção do Norte.

Progressos

No âmbito da saúde, Angola figura entre os países que conseguiram reduzir a mortalidade infantil em mais de um quarto, entre 1990 e 2009.

Cabo Verde destaca-se na redução da mortalidade materna ao encabeçar a lista de cinco países que reduziram o número anual de mães que perdem a vida por complicações de parto.

Pedro Conceição, economista-chefe do Escritório Regional para África do Programa da ONU para o Desenvolvimento Pnud,  disse à Rádio ONU que não bastam recursos financeiros para atingir progressos.

“É importante que haja recursos financeiros mas estes, por si só, não chegam. É preciso que haja também a reconstrução de infraestruturas, instituições e que se treinem os recursos humanos necessários para que haja enfermeiras, enfermeiros, médicos e médicas nos centros de saúde e nos hospitais” explicou.

Crianças Matriculadas

Por seu turno, entre 1991 e2008, Moçambique melhorou o número de crianças matriculados em mais de 25%.

O relatório ressalta o crescimento e a consolidação de vínculos Sul-Sul  particularmente entre África e seus parceiros emergentes como o Brasil, China e Índia nos últimos anos como tendo implicações importantes para o desenvolvimento de África.

Cooperação Sul-Sul

O comércio Sul-Sul teve um aumentou de US$ 0,5 triliões em 1990 para US$ 2,9 triliões em 2008, no que representa 19 % do comércio global. O documento aponta, entretanto, que os países africanos falharam, no entanto, no aproveitamento máximo da mudança para melhorar a sua balança comercial.

Caminho Certo

A Vice-Secretária-geral da ONU, Asha-Rose Migiro disse que apesar de estar  no caminho certo , o continente ainda não está a avançar com rapidez suficiente.

Migiro fez notar que o desafio é traduzir o conhecimento em políticas que fazem a diferença na vida dos afrinanos e pede maior concentração nas crianças, jovens, mulheres e outros grupos vulneráveis.

Aos governos a ONU pede atenção aos compromissos com os recursos e que destinem verbas aos serviços sociais com um firme  compromisso com a boa governação.

Os doadores foram desafiados a complementar estes esforços nacionais intensificando  o seu apoio.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud