Situação na Guiné-Bissau reúne Ban Ki-moon e Carlos Gomes Júnior

30 setembro 2011

Secretário-Geral reconhece esforços das autoridades do país de expressão portuguesa para a consolidara paz em reunião com o primeiro-ministro guineense.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, reconheceu os esforços feitos pelas autoridades da Guiné-Bissau para a consolidação da paz e o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

Os estado do processo de reformas sociais e políticas também esteve no centro da agenda de um encontro mantido, esta quinta-feira, com o primeiro-ministro guineense, Carlos Gomes Júnior.

Reformas

Nos últimos anos, o país da África Ocidental foi marcado pela instabilidade política que culminou com o assassinato do então presidente João Bernardo Vieira, em 2009.

Nas discussões foram abordados os esforços empreendidos para a reforma nos sectores da defesa, segurança e justiça, além da luta contra narcotráfico e a necessidade de diálogo nacional inclusivo.

Diálogo Nacional

Antes da reunião, Carlos Gomes Júnior disse à Rádio ONU, em Nova Iorque,  que as autoridades preparam encontro com todos os autores do país para impulsionar a reconciliação nacional.

“Está a haver todo um debate que permita um diálogo nacional e uma verdadeira reconciliação entre os guineenses. Esta iniciativa está a ser corroborada, com êxito, pela própria assembleia nacional popular, onde já de fizeram debates em torno da sociedade civil, dos militares e que, mesmo na diáspora, permitiu auscultar os guineenses. Finalmente vai haver uma reunião, em Bissau, que culminará com a conferência nacional de todos os guineenses com vista à promoção da paz e da estabilidade”, disse.

Esforços

Em Junho, o representante do Secretário-Geral no país, disse ao Conselho de Segurança que, apesar dos progressos em todas as frentes políticas e de segurança, havia necessidade de mais esforços.

Joseph Mutaboba, que lidera o Escritório Integrado da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, Uniogbis, disse haver necessidade de consolidar os ganhos e tratar de questões como a impunidade, o tráfico de drogas e o crime organizado.

A Uniogbis foi criada no ano passado para suceder o Gabinete da ONU para o Apoio à Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, Unogbis, implantado no país em 1999.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud