São Tomé e Príncipe apontado como caso de sucesso no combate à malária

13 setembro 2011

País de expressão portuguesa está entre 43 nações onde o número de óbitos diminuiu em mais de metade na última década; relatório indica que mortes globais devido à doença caíram 38%.

[caption id="attachment_204552" align="alignleft" width="350" caption="Criança com malária em tratamento"]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Avanços notáveis no combate à malária, alcançados nos últimos 10 anos, aumentam o optimismo relativamente ao fim da doença, aponta um relatório divulgado esta terça-feira pela parceria Roll Back Malaria.

O estudo Fazendo Recuar a Malária: Uma Década de Parceria e Resultados, apresentado, em Nova Iorque, indica que as mortes globais devido à doença caíram 38% em 43 países.

Casos de Sucesso

São Tomé e Príncipe é um dos 11 países africanos onde a diminuição do número de óbitos foi superior a 50%, sendo considerado um caso de sucesso.

O relatório da parceria, apoiada pela ONU, aponta para um reverter da tendência da década anterior, e celebra mais de um milhão de vidas salvas.

Redução da Mortalidade

O Brasil integra o grupo de seis nações da América Latina, incluindo a Colômbia, o Peru e a Venezuela, onde foram registados 89% dos casos da região. O país reduziu a mortalidade em 35%.

Por seu turno, em Moçambique ocorre quase o dobro de casos da malária em crianças das zonas rurais, em comparação com as dos centros urbanos.

Problema Económico

Falando à Rádio ONU, de Maputo, o presidente do Movimento Fazer Recuar a Malária em Moçambique, Bispo Diniz Sengulane, disse ser necessário disponibilizar mais recursos para combater a doença

“Que o mundo económico veja o problema da malária como sendo mais de carácter económico que carácter médico, libertando os recursos. Já demonstrou que existem recursos para a área de saúde que podem ser disponibilizados. Quando demonstrou que a febre aviária podia ser ameaça global e quando vemos o que tem sido feito em termos da tuberculose e na área de HIV/Sida. Existem recursos no mundo para a área da saúde,” explicou.

Resultados Encorajadores

No âmbito do lançamento do relatório, o Secretário-Geral, Ban Ki-Moon elogiou os resultados da iniciativa de saúde pública por proporcionar o que considerou resultados encorajadores ao investimento.

Ban disse que graças aos esforços empreendidos pela parceria na última década, há uma base para permitir que países afectados e comunidades possam atingir resultados ainda maiores nos próximos anos.

Cerca de US$ 5 mil milhões foram investidos em intervenções para prevenir e tratar a malária, particularmente através de redes tratadas com insecticida. Os recursos foram distribuídos a cerca de 80% da população em risco na África Subsaariana.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud