Unesco fala de relatos ‘perturbadores’ sobre violência a jornalistas na Síria
BR

1 setembro 2011

Diretora-geral da agência voltou a defender a liberdade de imprensa no país árabe que está enfrentando protestos contra o regime do presidente Bashar al-Assad desde o início do ano.

[caption id="attachment_204083" align="alignleft" width="350" caption="Irina Bokova pediu que a Síria respeite o direito à liberdade de expressão"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A chefe da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, afirmou estar “alarmada” com a continuação de abusos contra profissionais da imprensa na Síria.

Irina Bokova pediu às autoridades do país que respeitem o “direitos humanos básicos que incluem a liberdade de expressão.”

Homens Armados

Desde o início do ano, a Síria tem enfrentado protestos contra o regime do presidente Bashar al-Assad. A repressão violenta às manifestações teria causado mais de 2,2 mil mortos, segundo agências internacionais.

A diretora-geral da Unesco contou que recebeu “relatos perturbadores” sobre a situação de jornalistas no país.

Segundo ela, o cartunista Ali Ferzat teria sido agredido por homens armados em 25 de agosto. Uma outra preocupação é o paradeiro de Hanadi Zahlout, um repórter freelance que foi preso um mês antes.

Um relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU alertou para o que pode ser caracterizado como crimes contra a Humanidade pelo governo sírio em sua repressão a manifestantes pacíficos.

Na última sessão do órgão que aprovou o envio de uma comissão de inquérito à Síria, o representante do país disse que a resolução era “100% política e sem equilíbrio e que passava a mensagem errada sobre a situação na Síria”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud