OMS preocupada com alastramento da cólera na RD Congo

OMS preocupada com alastramento da cólera na RD Congo

Surto provocou pelo menos 265 mortos na última semana; agência aponta o alto risco de propagação da epidemia ao longo do rio Congo.

[caption id="attachment_202225" align="alignleft" width="350" caption="Alto risco de propagação"]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, alertou para o alastramento do surto de cólera a partir da República Democrática do Congo, RD Congo,  para o vizinho Congo, cuja capital é Brazaville.

Pelo menos 3,8 mil casos foram registados desde o seu início, em Março, na RD Congo. Desde 20 de Julho, houve um registo de 265 mortos.

Actualização

Por seu turno, no Congo, foram registados 181 casos suspeitos desde que a doença foi detectada no mês passado. A doença já fez seis óbitos, indica a última actualização da OMS.

A agência aponta “o alto risco de propagação da epidemia ao longo do rio Congo, onde existe uma importante ligação regional de transportes.” De acordo com relatos citados pela OMS, a cólera teria se alastrado para novos locais, especialmente em Kinshasa, onde grandes grupos populacionais consomem água inadequada.

Avaliação do Risco

A OMS disse estar em curso uma rápida avaliação de risco para identificar as necessidades urgentes, num momento em que foi enviada uma equipa de saúde, incluindo dois epidemiologistas, para apoiar as autoridades locais.

Esforços para o estabelecimento de centros de tratamento nas áreas afectadas, aumento das medidas de gestão e vigilância de casos juntam as autoridades dos dois países, agências da ONU e outras organizações.

A doença, que continua a ser considerada uma ameaça global, é um dos principais indicadores de desenvolvimento social, aponta a OMS.

Enquanto a cólera já não representa uma ameaça para nações com elevados padrões de higiene, continua a desafiar países com acesso limitado à água potável e saneamento adequado.