FMI recomenda ajustes fiscais para recuperação dos EUA

25 julho 2011

Numa avaliação da situação económica do país, instituição pede ‘cuidado especial’ das autoridades norte-americanas com a reforma do sector financeiro.

[caption id="attachment_202177" align="alignleft" width="350" caption="Fundo Monetário Internacional alerta para necessidade de ajustes fiscais americanos "]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU, em Nova Iorque.

O Fundo Monetário Internacional recomendou ajustes fiscais nos Estados Unidos para que desequilíbrios globais sejam corrigidos.

Numa conferência de imprensa, realizada esta segunda-feira, em Washington, a instituição pediu cuidado especial das autoridades com a reforma do sector financeiro. O apelo do FMI é parte da avaliação da situação económica do país.

Negociações

O pronunciamento ocorre quando decorrem negociações para buscar consenso em torno do aumento do tecto da dívida norte-americana, que envolvem o governo de Barack Obama, senadores democratas e republicanos.

Falando a jornalistas, o conselheiro sénior do Departamento do Hemisfério Ocidental, Rodrigo Valdes, falou do impacto internacional dos ajustes fiscais, que se colocam como o principal desafio à economia norte-americana.

Impacto Internacional

De acordo com Valdes, a instituição reconhece a importância do desempenho económico do país no resto do mundo, e destaca o seu bom funcionamento é de interesse de todos.

De acordo com o perito, é igualmente necessário um esforço dos EUA para conter gastos e obter receitas, “o que não é politicamente fácil, como é evidenciado nos recentes debates”.

Ele considerou igualmente importantes as medidas a serem aplicadas por vários países como forma de garantir uma maior estabilidade.

De acordo com o FMI, a chave para a recuperação da economia norte-americana está no crescimento, que, com um bom desempenho económico deve reduzir o desemprego.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud