Pnud e Fundo Global querem salvaguarda de programas na RD Congo

15 junho 2011

Agências conduzem investigação a alegadas irregularidades na gestão de concessões para combates a Sida, Malária e Tuberculose no país africano.

[caption id="attachment_198111" align="alignleft" width="350" caption="O Fundo Global investiu US$21,7 mil milhões."]

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, anunciou, esta terça-feira, a investigação de alegadas irregularidades na gestão de concessões do Fundo Global de Combate à Sida, Tuberculose e Malária na República Democrática do Congo.

Em comunicado a agência aponta que análises preliminares permitiram constatar a ocorrência de anomalias envolvendo beneficiários primários e secundários do país.

Finaciamento Interrompido

Após a recolha de relatos sobre as anomalias, as duas instituições interromperam temporariamente os financiamentos aos recipientes primários e impuseram “uma série de medidas para salvaguardar as concessões do Fundo Global.” A instituição é financiada, entre outros, pelo músico irlandês Bono e o presidente do conselho da Microsoft, Bill Gates.

De acordo com o Pnud, medidas adicionais devem ser tomadas em fase posterior, caso seja necessário.

Auditoria

Segundo o comunicado, após receber as alegações, a divisão de auditoria e investigação do Pnud alertou o escritório do Fundo Global e, desde então, trabalham em concertação relativamente às questões num processo acompanhado por doadores internacionais, aponta a agência da ONU.

Em todo o mundo, o Fundo Global já investiu US$ 21,7 mil milhões para apoiar operações de prevenção, tratamento e cuidados nas três doenças. Na RD Congo, a instituicao opera em parceria com o Pnud, com presença em mais 175 países.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud