Horticultura Urbana diminui malnutrição na RD Congo

13 junho 2011

Programa da FAO torna preço de frutas e vegetais mais acessível nas áreas urbanas; projeto também gera mais de $400 milhões para pequenos produtores da República Democrática do Congo.

Daniela Gross, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Um programa da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, para incentivar a horticultura urbana auxiliou a diminuir o índice de malnutrição na República Democrática do Congo. O projeto também gerou mais de $400 milhões para pequenos produtores no país.

Através de um investimento de mais de $10 milhões, financiados pela Bélgica, o programa da FAO conseguiu em cinco anos aumentar em 122% a produção de frutas e vegetais no país.

Subsistência

Cerca de 90% da produção obtida pelo projeto, o equivalente a 250 mil toneladas de produtos, é vendida em feiras e surpermercados, e o restante usado para subsistência.

Com o aumento na produção, o preço das frutas e vegetais tornou-se mais acessível nas cinco maiores cidades do RD Congo, onde o projeto está sendo implementado.

Empregos

O programa também apoiou a geração de empregos e renda para 16 mil pequenos produtores. De acordo com a FAO, outros 60 mil empregos indirectos foram criados.

Através dos incentivos, a renda dos produtores chegou a quadruplicar em certas regiões. Em Kinshasa and Lubumbashi, um pequeno produtor ganhava em média $500 por ano em 2004. Agora, a renda média anual chega a $2 mil.

A FAO iniciou o projeto na RD Congo com base em um estudo sobre os obstáculos para a horticultura urbana e periurbana. A falta de uma regularização de terras, o acesso limitado à água e o baixo rendimento produtivo devido a baixa qualidade de sementes estão entre as principais dificuldades identificadas pela pesquisa.

*Apresentação: Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud