Relatores preocupados com desaparecimento de monges tibetanos
BR

8 junho 2011

Em nota, divulgada nesta quarta-feira, Grupo de Trabalho sobre Desaparecimentos Involuntários pediu às autoridades chinesas que informem sobre paradeiro e destino dos religiosos.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Um grupo de direitos humanos das Nações Unidas pediu ao governo da China que informe o destino e paradeiro de todas as pessoas desaparecidas de forma involuntária no país. O apelo inclui um grupo de monges tibetanos dos quais não se tem notícia desde o dia 21 de abril.

Em nota, divulgada nesta quarta-feira, o Grupo de Trabalho da ONU sobre Desaparecimentos Forçados ou Involuntários informou que recebeu relatos de que cerca de 300 monges da província de Sichuan, teriam sido presos e levados para local desconhecido em 10 caminhões militares.

Segurança Pública

Os mesmos relatos indicam que as detenções foram realizadas pela Polícia Armada do Povo, o Escritório de Segurança Pública do Exército de Libertação do Povo.

Os relatores afirmaram que o desaparecimento forçado é uma prática que não deve ser permitida em nenhuma circunstância, qualquer que seja a justificativa. O Grupo também disse que os familiares têm de ser informados,  imediatamente, sobre o paradeiro dos desaparecidos, e que uma indenização deve ser paga.

A nota pede ainda que o governo chinês investigue o incidente e leve os responsáveis à justiça. Eles disseram que a China tem a obrigação de se ater aos estritos padrões de direitos humanos, além de cooperar com o procedimento do Grupo de Trabalho da ONU.

Os relatores são de vários países incluindo Argentina, Líbano e África do Sul.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud