Entrevista: Genocídio ruandês e suas lições ao mundo

7 abril 2011

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A partir do genocídio de Ruanda fala-se, de facto, de uma responsabilidade de proteger os povos contra genocídios, considera a professora doutora Sabrina Medeiros, do Rio de Janeiro. Ela analisa o Dia Internacional para Reflexão do Genocídio do Ruanda, marcado neste 07 de Abril.

Do ponto de vista doutrinário, a comunidade internacional começou a desenhar ‘com maior segurança e confiabilidade' as regras internacionais de intervenção baseadas no Direito Internacional Humanitário, disse em entrevista à Rádio ONUa especialista em Relações Internacionais.

Sabrina Medeiros é também docente na Escola de Guerra Naval e da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ela defende que a crise ruandesa chama atenção do mundo para os "estragos causados pela colonização ao continente, que resultaram em divisões que não obedeciam às tradições locais."

A académica frisou que conflitos de proporção étnica e política, como os do Ruanda, merecem uma mediação combinada e a longo prazo que "acabam ganhando contornos que muitas vezes não são aceites pelas populações locais."

Acompanhe a entrevista.

Tempo: 9'05''

Parte 1

Parte 2

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud