Naufrágio pode ter matado mais de 250 perto de Lampedusa (Português África)

6 abril 2011

Embarcação transportava da Líbia mais de 300 migrantes e candidatos a asilo de países africanos e Bangladesh; segundo a OIM, 47 pessoas foram resgatadas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Receia-se que mais de 250 migrantes tenham morrido após o naufrágio de um barco, nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, a 40 milhas da ilha italiana de Lampedusa.

De acordo com a Organização Internacional para Migrações, OIM, a embarcação, que navegava superlotada, era proveniente da costa líbia. Os cerca de 300 migrantes e candidatos a asilo eram da Somália, da Nigéria, da Cote d'Ivoire, do Chade, do Sudão e de Bangladesh.

Sobreviventes

Segundo as informações, 47 sobreviventes foram resgatados pela Guarda Costeira italiana e outros três por barcos pesqueiros locais.

William Spindler, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, de Paris, disse à Rádio ONU que a rota é frequentemente usada por embarcações precárias com destino à ilha italiana, que desde Fevereiro acolhe mais de 20 mil migrantes.

Condições do Mediterrâneo

"Milhares de africanos subsaarianos estão fugindo da Líbia, por via marítima, em embarcações inadequadas. A rota é muito perigosa. Nas últimas semanas, várias embarcações têm chegado à pequena ilha italiana de Lampedusa e várias outras foram interceptadas na costa da Tunísia. Mas também, como neste caso, ocorrem tragédias a pessoas que não sobrevivem às duras condições no Mediterrâneo,"explicou.

De acordo com a OIM, mais de 40 mulheres e cinco crianças estavam a bordo da embarcação. Entre os sobreviventes do naufrágio, que foram transferidos para Lampedusa, estavam duas mulheres .

Nos últimos 10 dias, mais de 2 mil migrantes africanos chegaram a Lampedusa, depois de atravessarem a costa da Líbia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud