Onusida apoia pesquisa sobre seropositivos em Moçambique

31 março 2011

A agência da ONU aponta a questão do estigma e discriminação como um dos graves impedimentos à luta contra a doença no país; o estudo pretende oferecer um cenário mais realista sobre a situação.

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo.

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Sida, Onusida, vai apoiar a realização de um estudo sobre o estigma e discriminação de pessoas que vivem com HIV, em Moçambique.

A pesquisa decorrerá a partir de Abril nas províncias moçambicanas mais afectadas pelo Sida: Maputo e Gaza, e visa fornecer um cenário mais realista sobre o estigma e discriminação no país.

Mais Afectados

Esta ferramenta poderá orientar a elaboração de futuras políticas nacionais que abordem as questões de direitos humanos de pessoas vivendo com o HIV/Sida e melhorar a implementação do Plano Estratégico Nacional do período 2010-2014.

Moçambique é um dos 10 países mais afectados pelo HIV/Sida na África Subsaariana, com uma seroprevalência estimada em 11,5%, segundo as Nações Unidas.

A encarregada de parcerias do Onusida em Moçambique, Maria Branquinho, disse à Rádio ONU, em Maputo, que o estigma e discriminação constituem um dos graves impedimentos à luta contra a doença no país.

"A questão do estigma e discriminação é um dos maiores obstáculos para que as pessoas procurem os serviços, os cuidados quando precisam. Estes dados apenas vão permitir refinar, alinhar, direcionar melhor as intervenções, daí a importância de ser ter estudos com evidências claras que possam apoiar nestas questões mais programáticas", afirmou.

O índice de estigma resulta de uma parceria entre o Onusida, Departamento do Reino Unido para o Desenvolvimento Internacional, a Federação Internacional de Planeamento Familiar, Rede global de Pessoas Vivendo com HIV e a Comunidade Internacional de Mulheres Vivendo com HIV.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud