Violência doméstica no Timor-Leste ainda é desafio
BR

28 fevereiro 2011

Governo diz que apesar de leis sobre a questão, falta de recursos impede combate mais eficiente.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.*

O governo do Timor-Leste informou que precisa de mais recursos para combater o problema da violência doméstica no país.

Após a onda de violência política que afetou a nação de língua portuguesa, no sudeste da Ásia, em 2006, o Timor-Leste ainda registra focos de violência doméstica e entre jovens.

Lei

O primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, lembrou que o Parlamento aprovou a lei de violência de gênero, mas segundo ele, a falta de pessoal na polícia ainda é um desafio para solucionar a questão.

"A violência doméstica é um crime, mas a lei não chega. Nós estamos a falar da polícia. Se pudéssemos, deveríamos recrutar agora 1,2 mil policiais este ano. Mas não há dinheiro suficiente para tal. É um problema que deve ser visto mais abrangentemente. Para obtermos resultado em alguma coisa, temos que ter depois os elementos", afirmou.

De acordo com a Polícia das Nações Unidas no Timor-Leste, Unpol, a violência doméstica no país não tem só mulheres como alvos: muitos membros da família, independentemente de idade, também se agridem.

A Unpol também afirma que um outro problema são focos de violência entre jovens que fazem artes marciais.

*Apresentação: Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud