Mutilação genital ameaça 3 milhões de mulheres por ano
BR

7 fevereiro 2011

Segundo agência da ONU, existem mais de 140 milhões de meninas e de mulheres circundadas; Guiné-Bissau vai debater lei contra a prática.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.*

A ONU marcou neste domingo, 6 de fevereiro, o Dia Internacional contra a Mutilação Genital Feminina. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, OMS, mais de 140 milhões de meninas e mulheres são circuncidadas.

A prática ameaça ainda 3 milhões de mulheres por ano. Com o Dia, as Nações Unidas pretendem combater a mutilação genital.

Profissionais de Saúde

De acordo com a OMS, o envolvimento dos profissionais da saúde contribui para legitimar ou manter as mutilações, sendo necessário implementar "ações de conscientização para conter a prática."

Na Guiné-Bissau, um dos países mais afetados pela prática na África, as autoridades estimam em 300 mil o número de mulheres mutiladas. Cerca de 80 mil meninas correm o risco de serem circuncidadas.

Em Entrevista à Rádio ONU, o embaixador do país junto das Nações Unidas, João Soares da Gama, disse que as autoridades guineenses estão determinadas em avançar com uma lei que proíba a mutilação.

Direitos

"Em Burkina Fasso, Senegal e outros países já há leis concretas que abordam esta questão de forma constrangedora e punitiva. Penso que já é momento dos parlamentares do país assumirem esta questão e tentarem, de uma vez por todas, abolir esta prática", disse.

A mutilação genital feminina é tida como nociva, por "violar os direitos das meninas e de mulheres." A OMS comprometeu-se a eliminar a prática na atual geração "recorrendo à advocacia, pesquisa e direcionamento dos profissionais da saúde."

A OMS revela que a circuncisão feminina é associada a riscos físicos, mentais, de âmbito sexual e do bem-estar.

*Apresentação: Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud