Cristãos no Iraque ainda sofrem violência, diz OIM
BR

2 fevereiro 2011

Segundo agência 1,3 mil famílias foram obrigadas a deixar suas casas em direção a várias cidades do norte do país para se proteger.

Pedro Nakano, da Rádio ONU em Nova York.*

A Organização Internacional para Migrações, OIM, informou que mais de 1,3 mil famílias cristãs iraquianas fugiram de suas casas em direção ao norte do país.

De acordo com a agência, eles estão enfrentando ameaças e problemas econômicos em suas cidades de origem.

Ataques

A perseguição aos cristãos iraquianos começou após a guerra de 2003 com a saída do presidente Saddam Hussein do poder. Muitos fieis fugiram para os países vizinhos.

Há três meses, pelo menos 52 pessoas morreram durante um ataque à Igreja Nossa Senhora da Salvação, na capital Bagdá.

Por causa da violência, novos postos de segurança foram instalados em áreas estratégicas, mas ainda não são suficientes para prevenir e conter novos ataques.

Rumores

Segundo a OIM, os deslocamentos internos de cristãos no Iraque continuam a aumentar. A cidade de Erbil, no norte do país, por exemplo, já recebeu 830 familias cristãs desde novembro passado.

A agência informou que os cristãos iraquianos tem encontrado dificuldade em vender suas casas por um preço justo. Há relatos de que algumas pessoas forjam a ameaça para fazer com que os donos dos imóveis fujam, baixando o preço da propriedade.

 Dificuldades

O valor do aluguel em cidades que receberam grande influxo de cristãos também aumentou em até 300%.

Além dos problemas de moradia, os cristãos deslocados internamente no Iraque ainda enfrantam dificudade em continuar estudando e trabalhando.

Mesmo com as promessas de melhoria na segurança nas cidades de Bagdá e Nínive, a OIM afirmou que os cristãos devem permanecer no norte do país.

*Apresentação: Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud