Sobe número de expatriados de Angola para a RD Congo, diz ONU

30 dezembro 2010

Segundo o Escritório das Nações Unidas para Assistência Humanitária, foram registados mais de 1300 casos de expulsão em uma semana.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O número de refugiados repatriados de Angola para a República Democrática do Congo está a aumentar, refere o Escritório das Nações Unidas para Assistência Humanitária, Ocha.

Segundo a agência, mais de 1,300 pessoas foram registadas nas províncias de Bas-Congo e Kasai na República Democrática do Congo, RD Congo, desde meados de Dezembro.

Direitos Humanos

A subsecretária-geral de Assistência Humanitária das Nações Unidas, Valerie Amos, apelou às autoridades dos dois países para tomarem medidas para assegurar o respeito dos direitos humanos e a dignidade dos expulsos.

Segundo a agência, com a nova onda de repatriamentos, o número de expulsos desde Setembro sobe para 12 mil.

Em entrevista à Rádio ONU, o oficial de Informação do Ocha na RD Congo, Medard Lobota, em Kinhsasa, disse que verifica-se uma redução na capacidade de auxílio aos necessitados.

Segundo o oficial, a capacidade de resposta da comunidade humanitária é neste momento bastante limitada para responder às necessidades dos expulsos de Angola.

Abusos

Uma avaliação levada a cabo por missões humanitárias em Outubro e Novembro nas províncias afectadas, constatou que vários indivíduos teriam sido vítimas de vários abusos, incluindo mais de mil casos de violação sexual.

Parceiros de ajuda humanitárias distribuem alimentos, roupa, kits de higiene, medicamentos e prestam auxílio psicológico aos repatriados.

Em 2009, as autoridades dos dois países concordaram em efectuar consultas, antes da expulsão de imigrantes ilegais, para assegurar o respeito aos direitos humanos incluindo a sua protecção pelas forças de segurança.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud