Importação de alimentos deve ultrapassar US$ 1 trilhão em 2010
BR

17 novembro 2010

Previsão feita em relatório da FAO, divulgado nesta quarta-feira, alerta para ‘tempos mais duros\', apenas dois anos depois da crise alimentar mundial; agência espera fortes baixas nos estoques de milho, cevada e trigo.

[caption id="attachment_183397" align="alignleft" width="175" caption="Plantação de trigo"]

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A conta paga pela importação de alimentos no mundo deve ultrapassar a marca de US$ 1 trilhão, equivalentes a R$ 1,7 trilhão até o fim deste ano. O motivo é uma alta drástica no preço da maioria das commodities em 2009.

A informação foi divulgada, nesta quarta-feira, em Roma, pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Renda Baixa

No relatório "Panorama do Alimento", a agência também alertou a comunidade internacional a se preparar para ‘tempos mais duros' caso a produção de itens básicos da cesta de alimentação não aumente no próximo ano.

Segundo a FAO, os países mais pobres terão que pagar 11% a mais para importar alimentos. Este valor quase dobra para os países de renda baixa e com problemas de segurança alimentar.

Ao ultrapassar a marca de US$ 1 trilhão, a conta de importação de comida atingirá um nível jamais visto desde a crise alimentar mundial, em 2008.

Novos Choques

A agência da ONU disse que com este quadro de pressão, o mundo terá que permanecer vigilante e preparado a respeito de novos choques em 2011.

As más condições do tempo foram apontadas como um dos fatores agravantes.

Apesar de previsões favoráveis, a produção mundial de cereais deve se contrair em 2% e não se expandir em mais de 1% como foi anunciado.

Cevada, Milho e Trigo

O estoque global de cereais também cairá bastante. Segundo o relatório da FAO, deverá haver uma contração de 7% em media. A agência pediu que os inventários de alimentos sejam reabastecidos. A previsão é de queda de 35% para a cevada, 12% para o milho e 10% para o trigo.

Apenas o arroz deve subir, cerca de 6%.

Sem Alternativa

A FAO afirmou que os consumidores não terão outra alternativa a não ser pagar mais pelos alimentos.

Um outro fator para o aumento dos preços, em meses recentes, foi a volatidade no mercado do acúçar, que atingiu picos recordes dos últimos 30 anos.

Peixe

No setor da oleaginosas, os preços continuam relativamente baixos.

Já a carne está mais cara. Na área de leites e derivados, o preço da manteiga bateu novos recordes. O preço da mandioca também subiu.

Por último, o pescado registrou ganhos demonstrando uma boa recuperação após a queda nos preços no fim de 2008.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud