Crianças migrantes na AL sob risco de exploração, diz Unicef (Português Brasil)

8 novembro 2010

Um em cada cinco migrantes é menor; pesquisa serve de base para debates no 4º Fórum Global sobre Migração e Desenvolvimento, aberto nesta segunda-feira em Porto Vallarta, no México.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.*

Um novo estudo das Nações Unidas alerta para os perigos de exploração e abuso de crianças migrantes na América Latina e no Caribe.

Com base na pesquisa, o Unicef pediu aos governos que invistam em políticas de proteção dos direitos dos menores. Entre as ameaças mencionadas estão xenofobia, tráfico de seres humanos e discriminação.

Fórum Global

O estudo "Crianças e Migração Internacional na América Latina e no Caribe" foi publicado, nesta segunda-feira, pelo Unicef e pela Comissão Econômica para a região, Cepal.

O documento está servindo de base para discussões no 4º Fórum Global sobre Migração e Desenvolvimento, aberto nesta segunda-feira em Puerto Vallarta, no México.

Estima-se que um em cada cinco migrantes seja criança ou adolescente.

Oportunidades

Para os autores da pesquisa, a migração pode trazer benefícios como também maiores oportunidades educacionais e de trabalho.

Mas ao mesmo tempo, ocorrem riscos quando crianças ficam para trás sob cuidados da família no país natal, enquanto os pais partem para o exterior.

Cerca de 6 milhões de pessoas migraram dentro da própria América Latina. E pelo menos 25 milhões de latino-americanos deixaram seus países para viver nos Estados Unidos e na Europa.

Os autores da pesquisa disseram que entre as medidas tomadas pelos governos devem estar o direito ao registro de nascimento, logo após o parto, e o fim da detenção de crianças migrantes por causa de entradas ilegais em outros países.

*Apresentação: Eduardo Costa Mendonça, da Rádio ONU em Nova York.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud