Moçambique avança, mas desenvolvimento ainda é desafio

4 novembro 2010

Nação africana ocupa a posição número 165 num total de 169 países listados no Relatório de Desenvolvimeto Humano; Angola e Guiné-Bissau são considerados de rendimento médio, embora documento também registe progressos.

[caption id="attachment_187231" align="alignleft" width="175" caption="Foto: Pnud "]

Susete Sampaio, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, lançou esta quinta-feira em Nova York, a 20ª edição do Relatório Anual sobre Desenvolvimento Humano.

Com o título "A Verdadeira Riqueza das Nações: Vias para o Desenvolvimento Humano", o documento está traduzido em 10 línguas, incluindo o português, e apresenta novas visões de tendências e padrões de desenvolvimento, assim como inovações nas áreas das desigualdades, do género e da pobreza extrema.

Metodologia distinta

Do total de 169 países da lista, o de língua portuguesa com menor desenvolvimento é Moçambique. O país ocupa a posição número 165. Angola e Guiné-Bissau também são considerados de desenvolvimento baixo.

Mas mesmo com os desafios, alguns progressos foram alcançados, como explicou à Rádio ONU, a especialista em políticas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Isabel Pereira.

"Tem havido progressos em termos de saúde, e de educação muito fortes. Infelizmente, a nível dos países de expressão portuguesa, na grande maioria, nomeadamente africanos, esse progresso não tem sido tão visível, nomeadamente, em termos de educação", disse.

Baixo IDH

Angola, Moçambique e Guiné-Bissau continuam a registar um valor baixo no Índice de Desenvolvimento Humano, IDH.

Tendo em conta os índices de desenvolvimento relacionados com as desigualdades existentes, esses três países destacam-se com perdas superiores a 40%.

De acordo com Isabel Pereira, Moçambique tem registado uma boa performance nas últimas quatro décadas. O país encontra-se no topo das 40 nações com um progresso mais rápido, no período que vai de 1970 a 2003. O seu IDH tem tido um progresso de 1,3%.

Angola

No caso de Angola, o progresso da última década tem sido elevado, com o valor de 118% de crescimento do rendimento nacional bruto per capita.

"Sobretudo, o que este relatório põe em ênfase é a necessidade de olhar para o progresso de um ponto de vista global, olhando para educação, saúde e rendimento, mas também para outras áreas. Algumas dessas áreas que nós temos destacado é a desigualdade. E as desigualdades na maior partem dos países de língua portuguesa são muito marcantes, nomeadamente africanos", destacou.

No mesmo estudo, Cabo Verde e Timor-Leste apresentam um nível desenvolvimento médio.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud