Brasil diz que Guiné-Bissau não deve ser abandonada

23 setembro 2010

Em discurso na Assembleia-Geral da ONU, Celso Amorim destaca também o lugar especial de África na diplomacia brasileira.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O ministro das Relações Externas do Brasil, Celso Amorim, pediu à comunidade internacional para não isolar nem abandonar a Guiné-Bissau.

Falando esta quinta-feira na abertura da série de debates da 65ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Amorim disse que o seu país está preocupado com a situação naquela nação africana de língua portuguesa.

Estabilidade

"Não é por meio do isolamento, ou do abandono que a comunidade internacional logrará resolver os problemas que ainda persistem naquele país irmão. Precisamos de modalidades inteligentes de cooperação que promovam o desenvolvimento e a estabilidade e incentivem as indispensáveis reformas, sobretudo no que tange as forças armadas", disse.

No seu discurso, o ministro brasileiro destacou também o lugar especial que o continente africano ocupa na diplomacia brasileira. Ele revelou que desde que assumiu o poder, o presidente Lula fez 11 visitas à África, onde esteve em mais de 20 países.

Cooperação Sul-Sul

"Implantamos um escritório de pesquisa agrícola em Gana, uma fazenda modelo de algodão no Mali, uma fábrica de medicamentos antiretrovirais em Moçambique e centros de formação profissional em cinco países africanos", afirmou.

Celso Amorim falou ainda do papel do Brasil no Fundo de Redução da Pobreza, que também inclui a Índia e a África do Sul.

A iniciativa foi criada no quadro da cooperação Sul-Sul e já financiou projectos em vários Estados do continente, nomeadamente Cabo Verde, Guiné-Bissau, Burundi e Serra Leoa.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud