OMS quer mais apoio para sistema de saúde no Afeganistão
BR

26 abril 2010

Agência da ONU cita a necessidade de médicos, enfermeiros, parteiras e centros de saúde em mais áreas do país, nos distritos remotos e vilarejos; cerca de 500 mil afegãos estão recebendo assistência de saúde de emergência no país.

Daniela Traldi, da Rádio ONU em Nova York.

O diretor-geral adjunto da Organização Mundial da Saúde, OMS, para Ação em Crises, Eric Laroche, fez um apelo nesta segunda-feira para a intensificação da resposta aos desafios humanitários de saúde no Afeganistão.

Ele disse que milhões de afegãos são vulneráveis a uma série de emergências agudas e complexas, incluindo desastres naturais como terremotos, inundações e conflitos, principalmente ao sul do país.

Médicos

Laroche, que já foi representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, no Afeganistão, afirmou que muito já foi feito nos últimos anos para ampliar os cuidados de saúde mas é preciso fazer mais para proteger a população.

Ele citou a necessidade de médicos, enfermeiros, parteiras e centros de saúde em mais áreas do país, nos distritos remotos e vilarejos em locais como Badakshan.

A insegurança ao sul do país, de acordo com Laroche, restringiu o acesso a serviços para milhares de pessoas em Kandahar, Uruzgan e Helmand.

Vacinação

Cerca de 500 mil afegãos estão recebendo auxílio de saúde de emergência através de um grupo de trabalho formado pela OMS, ONGs e o governo do país.

A agência da ONU também monitora e controla a vacinação de doenças que podem ser evitadas, como a tuberculose e a malária, e ajuda a desenvolver treinamento para agentes de saúde e profissionais do setor.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud