Falta de fundos ameaça deslocados no Iémen

12 abril 2010

Representante de Ban para os Direitos Humanos das Pessoas Deslocadas, Walter Kaelin, disse que muitas agências de auxílio anunciaram que irão encerrar as suas operações no país, nos próximos meses, se não receberem novos financiamentos.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Deslocados internos no Iémen estão em risco devido a uma escassez de financiamentos humanitários.

O alerta foi lançado esta segunda-feira pelo Representante do Secretário-Geral para os Direitos Humanos das Pessoas Deslocadas, Walter Kaelin, após visita ao país.

Desastre

Apesar do cessar-fogo assinado em Fevereiro entre o governo e o grupo rebelde, Al-Houthi, o Iémen continua a abrigar cerca de 250 mil deslocados.

O carácter inacessível de algumas regiões na província de Amran impede as Nações Unidas e outros parceiros humanitários de ajudar todos os deslocados.

Kaelin afirma que a resposta humanitária durante o conflito armado evitou um desastre, particularmente devido à boa cooperação entre a ONU e o governo. Ele salienta, contudo, que esses progressos estão agora ameaçados pelo déficit dramático no volume de financiamentos.

O representante de Ban Ki-moon disse que muitas agências de auxílio anunciaram que irão encerrar as suas operações no país, nos próximos meses, se não receberem novos fundos.

Consequências

Kaelin enfatizou que as consequências de uma tal decisão serão dramáticas. Ele notou que uma redução significativa da assistência iria causar uma grave crise humanitária e aumentar a instabilidade numa situação de paz ainda frágil.

Walter Kaelin voltou a pedir às partes para respeitarem as condições do cessar-fogo e garantirem a segurança dos deslocados e acesso humanitário a todas as regiões da província de Saada. O representante do Secretário-Geral para os Direitos Humanos das Pessoas Deslocadas visitou o Iémen de 4 a 10 de Março.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud