ONU pede reforço de instituições democráticas em Timor

19 fevereiro 2010

Ban Ki-moon disse, num relatório, que a segurança e o sistema judical em Timor são frágeis e possivelmente incapazes de aguentar outra grande crise; ele pediu também a extensão do mandato da Unmit, que termina este mês.

Daniela Traldi, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Apesar dos recentes sinais encorajadores em Timor Leste, muitos factores que contribuíram para a crise política de 2006 continuam.

A afirmação é do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, no mais recente relatório sobre a Missão Integrada das Nações Unidas no país, Unmit, divulgado na quinta-feira.

Factores

No texto, Ban diz que a segurança e o sistema judiciário de Timor são frágeis e possivelmente incapazes de aguentar outra grande crise.

Segundo o Secretário-Geral, as causas seriam as tensões entre políticos, as dificuldades com as instituições de segurança, a pobreza, o desemprego e a falta de um regime efectivo de propriedade de terra.

Ban Ki-moon afirma que, seja qual for o peso atribuído aos vários factores que contribuíram para a crise, é improvável que eles sejam resolvidos em breve.

Uma meta razoável seria garantir que as instituições democráticas e processos estabelecidos sejam robustos para continuar as discussões sem o uso da violência.

Tributo

Ele citou as eleições de Outubro do ano passado para membros do conselho comunitário como um marco democrático e um tributo à crescente capacidade dos órgãos da administração eleitoral do país.

Ban Ki-moon recomendou a extensão do mandato da Unmit, que termina no final de Fevereiro, por mais 12 meses. O Conselho de Segurança deve discutir o assunto na próxima semana.

*Apresentação: Carlos Araújo, da Rádio ONU, em Nova Iorque.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud