Minorias continuam a ser discriminadas no mundo

9 dezembro 2009

Numa mensagem por ocasião do Dia Internacional dos Direitos Humanos, celebrado a 10 de Dezembro, Pillay falou de avanços na área mas alertou que a discriminação permanece implacável; ela disse que mulheres, minorias religiosas, indígenas, migrantes e refugiados são as principais vítimas.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, disse que apesar da adopção de muitas leis nacionais e convenções internacionais na matéria, a discriminação permanece implacável.

Numa mensagem divulgada para o Dia Internacional dos Direitos Humanos, celebrado esta quinta-feira, 10 de Dezembro, ela indicou que o conceito da não-discriminação está consagrado na maior parte dos tratados assinados e ratificados nos últimos anos.

Oportunidades Iguais

Pillay mencionou a convenção sobre os direitos das crianças, pessoas com deficiências, migrantes e refugiados .

A Alta Comissária elogiou também o facto de alguns países terem adoptado sistemas de educação e saúde universais. Para ela, isto marca uma celebração extraordinária da capacidade da humanidade em criar um mundo de oportunidades iguais para todos.

O porta-voz do Alto Comissariado para Direitos Humanos, Xabier Celaya, disse à Rádio ONU, de Genebra, que Pillay realçou também na sua mensagem a discriminação que continua a afectar certos grupos da sociedade.

Populações Indígenas

"Navi Pillay disse que as mulheres trabalham 2/3 das horas laborais no mundo e produzem metade da comida consumida no planeta, mas apenas recebem 10 por cento dos salários. Ela afirmou que apesar de progressos significativos alcançados no século passado, mulheres e raparigas continuam a ser discriminadas em todas as sociedades. Todos os dias, muitas mulheres são abusadas fisica e sexualmente e a grande maioria dos responsáveis por esses abusos não são punidos" afirmou.

Pillay destacou ainda a discriminação que afecta outros grupos como minorias religiosas, populações indígenas, refugiados e migrantes.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud