Unesco condena assassinato de repórter mexicano
BR

21 outubro 2009

Fabián Ramírez López tinha 42 anos e era apresentador de rádio; somente neste ano, seis jornalistas foram mortos no México.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, Koïchiro Matsuura, condenou nesta quarta-feira o assassinato do repórter mexicano Fabián Ramírez López, de 42 anos.

O corpo do apresentador foi encontrado no dia 11 de outubro, após uma ligação anônima para a rádio La Magia, emissora onde ele trabalhava.

Direito Humano

O crime ocorreu na cidade de Mazatlán, na costa oeste do México. Ele foi visto dois dias antes da ligação, a caminho do trabalho.

Koïchiro Matsuura declarou ser "essencial para a democracia que jornalistas e profissionais de mídia possam continuar exercendo o direito humano básico da liberdade de expressão sem temer por suas vidas."

O diretor-geral da Unesco disse ainda estar "confiante de que as autoridades farão todo o possível para encontrar os responsáveis por este tipo de crime, que afeta toda a sociedade mexicana."

Liberdade de Imprensa

Segundo o Instituto Internacional de Imprensa, somente neste ano, seis jornalistas foram mortos no México, transformando o país em um dos mais perigosos para a prática da profissão.

A Unesco é a única agência da ONU com mandato para defender a liberdade de imprensa e de expressão.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud