Conselho de Segurança debate relatório Goldstone

14 outubro 2009

Lynn Pascoe disse que Ban Ki-moon defende o respeito da lei humanitária internacional e a proteção de civis em quaisquer circunstâncias e situações.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, tem apoiado a missão de inquérito do Juiz Richard Goldstone ao conflito em Gaza desde a sua criação e quer que israelitas e palestinianos realizem, sem atrasos, investigações internas credíveis sobre a conduta dos dois lados na guerra.

A afirmação foi feita esta quarta-feira pelo Subsecretário-geral das Nações Unidas para Assuntos Políticos, Lynn Pascoe, durante um debate do Conselho de Segurança sobre o Médio Oriente.

Crimes de Guerra

A reunião foi dominada por discussões sobre o relatório Goldstone que acusa tanto israelitas como grupos rebeldes palestinianos de terem praticado durante o conflito acções que podem representar crimes de guerra e contra a humanidade.

Pascoe indicou que é convicção de Ban Ki-moon que as leis humanitárias internacionais devem ser respeitadas e que civis precisam ser protegidos em quaisquer situações ou circunstâncias.

Na sua intervenção no debate, o ministro das Relações Exteriores da Autoridade Palestiniana, Riad Al Malki, realçou que os crimes cometidos por Israel e documentados no relatório do Juiz Goldstone mostram a gravidade dos abusos perpetrados contra o seu povo.

A embaixadora de Israel junto à ONU, Gabriela Shalev, descreveu o relatório de parcial e tendencioso. Ela disse que o documento favorece e legitima o terrorismo, além de negar ao seu país o direito de se defender.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud