Adaptação a mudança climática vai custar US$ 100 mil milhões por ano (Português África)

30 setembro 2009

Estudo do Banco Mundial indica que acesso a financiamento será vital para combater as consequências do aquecimento global nas nações mais pobres.

[caption id="attachment_170499" align="alignleft" width="175" caption="Economias em adaptação "]

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Banco Mundial indicou esta quarta-feira que os custos de adaptação a mudanças climáticas nos países pobres serão de US$ 75 mil milhões a US$ 100 mil milhões por ano no período de 2010 a 2050.

Segundo as conclusões preliminares de um estudo do órgão, o acesso aos necessários financiamentos será vital para combater as consequências do aquecimento global naquelas nações.

Investimento

"Economias de Adaptação a Mudanças Climáticas" foi financiado pelos governos da Holanda, Suiça e Grã Bretanha. Uma nota do Banco Mundial afirma tratar-se da análise mais aprofundada sobre o tema feita até agora.

O relatório realça que os custos mais elevados serão assumidos pela regão da Ásia e Pacífico, seguida pela América Latina e Caraíbas e África Subsaariana.

O Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Portugal, João Cravinho, disse à Rádio ONU, em Nova Iorque, que os custos da adaptação deveriam ser vistas como um investimento e não um gasto.

Responsabilidade Colectiva

"Temos de encontrar uma chave de repartição e devo dizer que estou mais optimista quanto à possibilidade de um entendimento. Creio que está hoje amplamente divulgada e aceite a ideia de que temos responsabilidades colectivas e que a adaptação às alterações climáticas é um bem colectivo que todos temos obrigatoriamente de ajudar a financiar" disse.

Segundo o estudo do Banco Mundial, os custos da adaptação a um aumento de 2º C na temperatura global seriam equivalentes à ajuda externa ao desenvolvimento.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud