Conflitos dificultam resposta humanitária

28 setembro 2009

O chefe do Acnur, António Guterres, disse que o fornecimento de ajuda humanitária em contextos onde a linha de separação entre o civil e o militar é cada vez mais turvo é difícil e perigoso.

[caption id="attachment_166994" align="alignleft" width="175" caption="António Guterres"]

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, alertou que o aumento da complexidade de conflitos, envolvendo exércitos regulares, rebeldes e milícias, é um risco crescente para os esforços humanitários.

Falando na sessão de abertura do Comité Executivo do órgão, em Genebra, na Suiça, Guterres disse que o fornecimento de ajuda humanitária em contextos onde a linha de separação entre o civil e o militar é cada vez mais turvo torna-se difícil e perigoso.

Processo de Reformas

Ele indicou que ataques contra trabalhadores de auxílio minam as operações de assistência e as bases da própria acção humanitária, relembrando as mortes de três funcionários do Acnur este ano no Paquistão.

António Guterres afirmou que a redução do espaço humanitário representa um dos maiores desafios para a agência da ONU nos países pobres.

Ele realçou que nos países ricos, o maior problema para o Acnur são as medidas tomadas por algumas nações para limitar o acesso de refugiados aos seus territórios, diminuindo assim o que chamou de espaço de asilo.

Guterres informou também os delegados sobre o processo de reformas em curso no órgão, destacando que visa encontrar os recursos para proteger mais pessoas, salvar mais vidas e fazer regressar mais refugiados a casa em segurança e dignidade.

Actividades Globais

O pessoal da agência em Genebra foi reduzido em cerca de 30%, enquanto as actividades globais do Acnur sofreram um aumento de mais de 50%. Ele indicou que a abertura do Centro Global de Serviços da agência em Budapeste, na Hungria, vai resultar em poupanças de US$ 13 milhões em rendas e salários, comparado aos preços de Genebra.

Guterres destacou cinco factores que em combinação com a recessão económica estão a causar o aprofundamento e multiplicação de crises: o crescimento populacional, a urbanização, o aquecimento global, migração e a falta de comida, água e energia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud