Gaddafi critica poder de veto no Conselho de Segurança

23 setembro 2009

Num discurso de quase duas horas na Assembleia-Geral, o seu primeiro em cerca de 40 anos, o líder líbio disse que a actual estrura de poder na ONU é injusta e antiquada.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O presidente Muammar Gaddafi, da Líbia, acusou as maiores potências do Conselho de Segurança de traírem a carta das Nações Unidas.

Num discurso esta quarta-feira na Assembleia-Geral, ele disse que o preâmbulo da carta diz que todas as nações, independentemente do seu tamanho, são iguais.

Feudalismo Político

Após ler trechos da carta, Muammar Gaddafi criticou o poder de veto dos cinco membros permanentes do conselho.

Ele descreveu o direito a veto de feudalismo político, afirmando que a actual estrutura de poder na ONU é injusta e antiquada.

Foi a primeira vez que Gaddafi discursou na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em cerca de 40 anos como líder da Líbia. A sua intervenção durou quase duas horas.

Muammar Gaddafi, que falou depois do presidente americano Barack Obama, indicou que 65 conflitos foram desencadeados desde a fundação da ONU há mais de 60 anos. Segundo ele, isto demonstra que os princípios que norteram a criação das Nações Unidas foram traídos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud