PAM precisa de US$ 870 milhões para operações no Sudão

20 agosto 2009

Agência da ONU disse que continua a assistir 3,6 milhões de pessoas em Darfur; órgão indicou que a população do Sul do Sudão ainda não colheu os dividendos da paz, após o fim da guerra civil em 2005.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Programa Alimentar Mundial, PAM, disse que 45% da população de Darfur continua a ser afectada por insegurança alimentar grave ou moderada.

A afirmação foi feita esta quinta-feira pelo director do órgão no Sudão, Kenro Oshidari, numa conferência de imprensa em Cartum para fazer o ponto de situação sobre as actividades do PAM no país.

Incidentes Esporádicos

Ele disse que a agência da ONU assiste cerca de 3,6 milhões de pessoas em Darfur. 2 milhões vivem em campos enquanto os restantes 1,6 milhões residem em aldeias remotas ou com familiares em cidades.

Oshidari indicou que o PAM perdeu quatro parceiros importantes após a expulsão das ONGs do território em Março último. O órgão assumiu a responsabilidade por 50% do trabalho que faziam, estando a outra metade a cargo de organizações locais.

A agência reconhece que a distribuição de ajuda alimentar permanece difícil em Darfur, devido a incidentes esporádicos de violência e a falta de um acordo político entre as partes.

Serviços Básicos

No Sul do Sudão, o PAM nota a escassez de serviços básicos numa região que acolheu o regresso de 2,4 milhões de refugiados e deslocados desde a assinatura do acordo de paz, em 2005.

Kenro Oshidari disse que o Sul do Sudão é um dos territórios mais pobres de África. Ele realçou que as pessoas ainda não colheram os dividendos da paz numa área afectada por conflitos tribais, seca e altos preços de alimentos.

O PAM anunciou que vai necessitar de US$ 870 milhões para financiar as suas operações no Sudão em 2010.

Siga a Rádio ONU no Twitter

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud