Ban diz que violência sexual em conflitos é sistemática (Português África)

7 agosto 2009

Ban Ki-moon afirmou que as partes envolvidas em confrontos armados continuam a usar a prática de uma forma brutal num clima de total impunidade; ele voltou a reiterar a política de tolerância zero para membros da organização envolvidos em casos de exploração sexual.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que o uso da violência sexual em situações de conflito permanece sistemática e generalizada.

Ban falava esta sexta-feira num debate do Conselho de Segurança sobre o tema.

Impunidade

Ele afirmou que as partes envolvidas em confrontos armados continuam a usar a violência sexual de uma forma brutal num clima de total impunidade.

Ban Ki-moon disse que como uma espingarda ou uma granada, a violência sexual faz parte de um arsenal para conseguir ganhos militares, políticos, sociais e económicos.

O Secretário-Geral indicou que além do forte impacto que tem sobre as vítimas, a prática complica também os esforços de recuperação e consolidação da paz.

Ele disse que no Burundi, Serra Leoa e Libéria, a guerra acabou mas a violência sexual persiste em grande escala.

Ban voltou a reiterar que a ONU não irá tolerar qualquer acto de exploração sexual cometido por um funcionário da organização.

Iniciativa

O Departamento das Nações Unidas para Operações de Paz vai lançar uma iniciativa global para recrutar mais mulheres polícias para as suas missões através do mundo.

O objectivo é encorajar os países membros a aumentar o número de mulheres que servem como políias nas operações e paz da ONU de 8% para 20% até 2014.

O órgão afirma que vítimas de violência sexual sentem-se mais confortáveis quando são entrevistadas por mulheres polícias.

Apresentação: Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Siga o nosso Twitter

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud