Cabo Verde resiste à crise com políticas pragmáticas

23 julho 2009

Embaixador do país na ONU disse que o governo está a fazer tudo para não efectuar cortes em áreas essenciais como a educação e saúde; ele apelou ao apoio da comunidade internacional para suavizar o impacto da crise.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Cabo Verde está a resistir à crise financeira e económica global, mas necessita do apoio da comunidade internacional para minimizar os seus efeitos.

A afirmação foi feita pelo embaixador do país nas Nações Unidas, António Lima.

Desenvolvimento

Numa entrevista à Rádio ONU, em Nova Iorque, ele disse que Cabo Verde soube, na altura certa, tomar medidas pragmáticas e adequadas para suavizar o impacto da crise.

"Sabemos que Cabo Verde é um país pobre que não dispõe de recursos para o seu desenvolvimento. É por isso que o país tem de fazer tudo com muito cuidado, pragmatismo e realismo. Cabo Verde continua com a cabeça fora da água mas ninguém sabe quanto tempo é que a crise vai durar.

Tivemos a resistir até agora mas vamos precisar que a comunidade internacional e os nossos parceiros nos dêm a mão para não seremos levados pela tormenta".

António Lima disse também que o governo caboverdiano está a fazer tudo para não efectuar cortes em áreas essenciais como a educação, saúde e segurança, preferindo reduzir despesas no número de viagens dos seus funcionários.

Remessas

"Nós não podemos cortar as pequenas quantias que colocamos à disposição dos mais vulneráveis da sociedade. Só podemos cortar aquilo que pode ser cortado. O governo está a apertar o cinto e a tentar atravessar esta tempestade com menor mal possível para poder enfrentar o embate".

O Banco de Cabo Verde revelou na semana passada que as remessas dos migrantes caboverdianos não parecem ter sido afectadas pela crise económica global.

O órgão disse que nos primeiros cinco meses deste ano os caboverdianos residentes nos Estados Unidos enviaram para o país o equivalente a cerca de US$ 5 milhões, um montante superior ao volume registado no mesmo período do ano passado.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud