Conflito afecta 76% da população congolesa

9 julho 2009

Pesquisa realizada recentemente pela Cruz Vermelha indica também que 47% perdeu um familiar e 28% conhece alguém que foi vítima de violência sexual.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Comité Internacional da Cruz Vermelha indicou que os civis na República Democrática do Congo continuam a ser vítimas de numerosos crimes, incluindo violações sexuais, assassinatos, pilhagens e destruição de suas casas.

Numa nota emitida na quarta-feira, o órgão afirma que a situação humanitária e de segurança no leste do país tem vindo a agravar-se desde Maio.

Pesquisa

Uma pesquisa realizada recentemente pela Cruz Vermelha revela que 76% da população congolesa foi afectada directa ou indirectamente pelo conflito armado. O estudo indica também que 58% foi deslocada, 47% perdeu um familiar e 28% conhece alguém que foi vítima de violência sexual.

O órgão diz que apesar do conflito afectar principalmente as províncias de Kivu Norte e Sul, no leste, mais de 100 mil pessoas no sul começam a sentir-se ameaçadas pelo avanço dos confrontos. Muitas são referidas como tendo deixado as suas aldeias para procurar refúgio em áreas mais seguras.

O aumento de crimes de natureza sexual foi também sublinhado no último relatório do Secretário-Geral, Ban Ki-moon, sobre o país.

Desafios Complexos

No documento, enviado esta semana ao Conselho de Segurança, Ban afirma que a República Democrática do Congo continua a enfrentar desafios complexos.

Ele nota que operações militares contra grupos armados estrangeiros e movimentos rebeldes congoleses causaram ataques de retaliação contra populações civis.

Segundo dados da ONU, mais de 300 mil pessoas foram deslocadas por confrontos desde o início do ano na província de Kivu Norte.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud