FAO: mais de 1 mil milhão passa fome no mundo

19 junho 2009

Novas estimativas publicadas pela agência da ONU revelam um aumento de 100 milhões em relação ao ano passado; quase 99% das pessoas malnutridas vivem em países em desenvolvimento.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O número de pessoas que passam fome no mundo vai ultrapassar a marca histórica de 1 mil milhão em 2009.

Segundo novas estimativas publicadas esta sexta-feira pela Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação, FAO, 1,02 mil milhão vão passar fome este ano. O total representa um aumento de 100 milhões em relação ao ano passado.

Crise Silenciosa

Um comunicado do órgão afirma que essa subida é causada pela crise económica. Segundo a FAO, salários mais baixos e aumento do desemprego reduziram o acesso dos pobres a comida.

O director-geral da agência, Jacques Diouf, disse que a crise silenciosa da fome, que afecta 1/6 da humanidade, representa um risco grave para a paz e a segurança no mundo.

Ele pediu à comunidade internacional para ajudar os países pobres a reforçar a sua produção agrícola, afirmando que a agricultura é essencial para ultrapassar a pobreza e a fome.

Fome Crónica

A agênca da ONU disse que enormes progressos foram feitos na redução da fome crónica na década de 80 e primeira metade da década de 90. O órgão indica, contudo, que o número das vítimas do flagelo tem vindo a aumentar gradualmente nos últimos 10 anos.

Entre 1995-97 e 2004-06,o número dos que passam fome aumentou em todas as regiões, à excepção da América Latina e Caraíbas.

Segundo a FAO, a grande maioria das pessoas malnutridas vivem nos países em desenvolvimento: cerca de 642 milhões na Ásia e Pacífico, 265 milhões na África Subsaariana, 53 milhões na América Latina e Caraíbas e 42 milhões no Norte de África e Médio Oriente.

Apenas 1% dos que passam fome vivem em países ricos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud